E-Portefólios em Ciências

Não é novidade para ninguém o facto da Internet constituir uma fonte quase inesgotável de informação à distância de um clique. E adivinha-se o potencial educativo de tal recurso embora haja, ainda, um longo caminho a percorrer até ao correcto enquadramento da utilização da Internet em meio escolar.

Como é mais ou menos consensual, o paradigma do internauta navegador e consumidor de informação está ultrapassado. O mesmo raciocínio é aplicável aos alunos que utilizam, ou tentam utilizar, a Internet como suporte das aprendizagens. Defendo que, actualmente, as competências necessárias para publicar na Internet devem fazer parte da formação pessoal do aluno e é com base neste princípio que tenho tentado, nos últimos anos, que cada um dos meus alunos adquira essas mesmas competências num contexto de aprendizagem, no âmbito das disciplinas que lecciono.

O resultado do trabalho desenvolvido em 2007/2008, com alunos da Escola Secundária de Fafe, pode ser consultado em http://bio12esfafe.blogspot.com. A partir daqui existem ligações para os e-portefólios dos diferentes alunos. No entanto, não encaro este trabalho como um fim mas, antes, como um meio auxiliar do aluno no desenvolvimento das suas competências e conhecimentos ao longo do ano lectivo. Nas linhas seguintes abordam-se alguns aspectos relacionados com a realização de e-portefólios de aprendizagem, no âmbito de uma disciplina...


1. Que aspectos devem ser tidos em conta, pelo professor, em ambiente de sala de aula?

  • Discutir as vantagens de uma reflexão e auto-avaliação sobre o trabalho desenvolvido;
  • Apresentar aos alunos a necessidade de uma constante actualização do conhecimento em Ciências;
  • Discutir as vantagens da partilha de informação;
  • Sugerir a criação de um e-portefólio como um meio para tal fim;
  • Definir a metodologia de trabalho;
  • Estabelecer regras e critérios claros de avaliação;
  • Explicar os procedimentos básicos para criar um e-portefólio;
  • Alertar para os cuidados na linguagem, na estética e salvaguarda dos direitos de autor;
  • Acautelar dificuldades individuais na concretização;
  • Incentivar regularmente à colocação de conteúdos no e-portefólio.

2. Que aspectos devem ser considerados no trabalho extra-aula?

  • Criar um blogue central, do professor, com sugestões, informações úteis, e ligações para recursos e para os e-portefólios dos alunos;
  • Visitar regularmente os e-portefólios dos alunos e, eventualmente, deixar comentários;
  • Avaliar os e-portefólios com base nos critérios estabelecidos;
  • Dar a conhecer aos alunos a avaliação efectuada;
  • Ajudar a resolver problemas. 

3. Que dados podem ser incluídos no e-portefólio? 

  • Pequena apresentação do autor (perfil).
  • Opiniões sobre os temas em estudo nas aulas.
  • Reflexões sobre notícias, que devem ser resumidas, recolhidas na comunicação social, preferencialmente alusivas a temas em estudo nas aulas (referir sempre a fonte da informação).
  • Sínteses de trabalhos realizados nas aulas ou em casa.
  • Experiências realizadas nas aulas práticas.
  • Relatos sobre visitas de estudo ou aulas de campo.
  • Glossário de termos científicos.
  • Sugestões de websites ou outras fontes informativas interessantes.
  • Reflexões sobre os seus resultados escolares no âmbito da disciplina de Biologia.
  • Outros.

4. Quais são os critérios de avaliação do portefólio? 

  • Adequação do conteúdo aos objectivos do portefólio.
  • Quantidade e qualidade da informação publicada.
  • Organização geral do portefólio.
  • Existência de informação reflexiva da sua autoria.
  • Indicação das fontes de informação.
  • Regularidade de publicação ao longo do tempo.
  • Ligações para outros portefólios e páginas web relacionadas.
  • Registo, quantidade e qualidade dos comentários realizados aos portefólios dos colegas.
  • Autonomia e responsabilidade demonstradas.
  • Apresentação do portefólio à turma no final do ano. 

5. Em que formato é desenvolvido o e-portefólio? 

Pode ser desenvolvido com recurso a diferentes suportes e formatos. Neste caso, optou-se pelo blogue, criado por cada um dos alunos em
www.blogger.com. Com este trabalho, cada aluno aprende a produzir e publicar (mais do que a consumir) informação na Internet, algo considerado essencial na sua formação geral. 

6. Com que regularidade devem os alunos actualizar o portefólio? 

Fica ao critério de cada um, sendo que este é um dos critérios de avaliação. No entanto, não é necessário, nem pode ser exigido, um trabalho exaustivo. O portefólio não pode, nem deve, desviar o aluno de outras tarefas mais prioritárias. Mas como é um trabalho progressivo, ao longo do ano lectivo, pode ser viável e trazer vantagens para a aprendizagem do aluno. 

7. O aluno tem de ter Internet em casa para fazer o portefólio? 

Não. Pode desenvolver esse trabalho na escola ou noutro local público com acesso à Internet (juntas de freguesia, biblioteca municipal, etc.). Algum do trabalho poderá ser desenvolvido durante as aulas e articulado entre diferentes disciplinas. 

8. Aspectos positivos

  • Contexto apelativo ao desenvolvimento de competências diversificadas pelos alunos, nomeadamente no que se refere à utilização de recursos TIC;
  • Incremento do gosto pela disciplina e pelo conhecimento científico;
  • Desenvolvimento do espírito crítico em relação a si e em relação aos outros;
  • Transparência das actividades escolares para a comunidade;
  • Fonte diversificada de informação actual e complementar sobre as matérias em leccionação.

9. Aspectos negativos

  • Risco de sobrevalorização, pelo professor e pelos autores, do e-portefólio em relação a outras actividades;
  • Exige um trabalho e dispêndio de tempo que podem ser consideráveis, tanto aos alunos como ao professor;
  • Envolve alguns riscos sobretudo quando acessível na Internet;
  • Pode realçar assimetrias entre os alunos no que se refere ao acesso ás tecnologias e ás competências na sua utilização.

10. Onde obter mais informação sobre portefólios?

  • Barrett.H. (2005). The Reflect Iniciative. White Paper. Reseaching Electronic Portfolios and Learner Engagement. Retirado de http://electronicportfolios.org/reflect/whitepaper.pdf
  • Barrett, H. (2006 ). Using Electronic Portfolios for Classroom Assessment [Electronic Version]. Connected Newsletter, 13, 4-6. Retirado de http://electronicportfolios.com/portfolios/ConnectedNewsletter-final.pdf.
  • Paulson, F.L., & Paulson, P.R. & Meyer, C.A. (1991). What Makes a Portfolio a Portfolio? Educational Leadership.
  • Santos, L. (2002). Auto-avaliação regulada: porquê, o quê e como? In P. Abrantes e F. Araújo (Orgs.), Avaliação das Aprendizagens. Das concepções às práticas. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento do Ensino Básico, 75 – 84. Retirado de http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/msantos/textos/DEBfinal.pdf
  • Silvério, C. (2006). Portfolios na disciplina de Ciências Naturais no 3.º ciclo do ensino básico. Um estudo de investigação-acção. Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Geociências, especialidade em Ensino de Ciências Naturais (Ciências da Terra),Universidade de Coimbra.
  • Vilas Boas, B. (2005). O portfólio no curso de pedagogia: Ampliando o diálogo entre professor e aluno. Retirado de http://www.scielo.br.pdf
(Bibliografia sugerida por Centro de Competência em TIC da Escola Superior de Educação de Santarém)

 

 

CienTIC antigo

Ligação ao website antigo do CienTIC.

Pesquisa

Estão em linha

Temos 47 visitantes em linha
CienTIC